Uma viagem de um dia inesquecível dirigindo por São Francisco

Uma viagem de um dia inesquecível dirigindo por São Francisco

In our effort to bring good content to as many people as possible the text in this blog post has been machine translated so please excuse any mistakes. Thank you!

Por Alejandra Salas

A política pode certamente ser um tópico estressante quando as eleições se aproximam, e eu me encontro nessa posição todas as vezes com as eleições presidenciais em meu país. Como estudante internacional do Peru, senti a necessidade de votar no primeiro turno da eleição eleitoral que foi no dia 11 de abril. Naquele domingo, acordei bem cedo e decidi dirigir de Lake Tahoe até a embaixada peruana mais próxima, localizada em San Francisco. Eu planejava ir para lá para cumprir meu direito civil de peruano orgulhoso e também para desfrutar da baía de São Francisco. No entanto, as coisas não saíram como o esperado quando cheguei à embaixada, que, aliás, tinha uma fila enorme de peruanos esperando para votar também.

Uma vez lá, dei a volta no quarteirão seguindo a fila de pessoas e cheguei na entrada principal do centro de votação. Havia enormes filas de espera, mas na minha recusa em esperar, dirigi-me à entrada e descobri que bastava encontrar o meu lugar na fila de acordo com a letra do meu apelido. O meu começa com a letra S e, para minha sorte, minha linha estava quase vazia; Eu me senti abençoado, pois era a 4ª pessoa na minha linha e não conseguia controlar o hype de estar tão perto de votar. Porém, uma vez na porta da frente, foi a minha vez de entrar, mas um dos assessores eleitorais pediu primeiro meu número de identidade peruano, e nós dois percebemos, ali mesmo, que eu não podia votar por causa do meu endereço residencial principal ainda estava registrado em Lima. Como estudante internacional, achei muito simples aparecer na embaixada do meu país e votar, mas não foi. Aprendi minha lição para me informar sobre o processo de votação no exterior do meu país antes de decidir participar desse processo democrático.

Ainda era de manhã cedo quando saí da embaixada do Peru e até agora estava aproveitando cada segundo de minha estadia na cidade. Andei pelo centro da cidade sentindo-me inspirado pela arquitetura; além disso, como a comunidade peruana em San Francisco é grande, consegui encontrar um bom restaurante peruano que serve ceviche e outras comidas tradicionais de meu país chamado “La Mar”, mais conhecido por seu peixe fresco. Mesmo sem poder votar, pude saborear minha saudosíssima culinária peruana, e isso fez com que a viagem toda valesse a pena; transformou as más notícias em uma experiência incrível na Baía de São Francisco.


Depois do almoço, caminhei pela SF Bay e visitei o Pier 39 e muitos outros só pela diversão e também porque é bom para a digestão; acredite, fazia tanto tempo que não comia comida peruana que experimentei todo o cardápio, então foi preciso dar um passeio. Embora estacionar possa ser desafiador, o layout da cidade convida você a explorá-la caminhando, andando de bicicleta ou alugando uma scooter, se localizada perto do cais. Se você estiver na Lombard Street, conhecida por seu caminho sinuoso, pois tem oito curvas fechadas naquele quarteirão famoso, eu recomendaria dirigir ou apenas caminhar, com ambas as opções ainda agradáveis ao ver as mais belas casas geminadas em contraste com construções modernas.


O tempo estava lindo naquele dia de sol, perfeito para uma visita à praia com vista para a ponte Golden Gate, então depois de passear e fazer algumas compras, fui até lá. No caminho, passei por um parque que tinha enormes pilares coríntios, que lembram os antigos templos gregos, então parei imediatamente para explorá-lo. Uma vez lá, descobri que aquele parque público também era conhecido como "Palácio das Belas Artes" e por um segundo senti que estava fazendo um tour pela Europa, mas não, eu estava na Baía de São Francisco me divertindo em um lugar mágico onde muita gente vai para tirar fotos e até sessões de fotos de noivas. Foi muito divertido ver como a cidade estava viva apesar dos tempos difíceis devido à pandemia e, claro, mesmo em espaços públicos assim, eu ainda tive que usar uma máscara porque é melhor prevenir do que me arrepender. Após minha repentina visita ao Palácio de Belas Artes, tive que continuar meu plano e ir a outro parque público acima da Ponte Golden Gate. O dia estava a meu favor, e digo isso porque o estacionamento estava lotado, mas quando eu estava entrando naquele estacionamento, outro carro estava saindo e parou para nos dar uma multa de estacionamento grátis; Não sei exatamente o motivo, mas foi muito gentil e realmente salvou o dia. Uma vez caminhando pela baía vi muita gente surfando embaixo e ao redor da ponte, um monte de veleiros e gaivotas voando pelo céu, uma paisagem incrível onde eu estava em paz na praia, curtindo a água e minha vista. No caminho de volta para casa, passei pela ponte Golden Gate, olhando para o horizonte da cidade e dizendo para o ar que voltarei quantas vezes puder porque São Francisco vale a pena!

No geral, eu diria que, se algo não sair a seu favor, você ainda pode tirar o máximo proveito disso; é tudo uma questão de ver as coisas de uma perspectiva positiva ... e lembre-se de que as experiências mais incríveis não são planejadas.

Alejandra Salas de Lima, Peru, é estudante de arquitetura e nova International Peer Mentor no Truckee Meadows Community College .