A vida como Au Pair nos EUA

A vida como Au Pair nos EUA

In our effort to bring good content to as many people as possible the text in this blog post has been machine translated so please excuse any mistakes. Thank you!

Por Pietro Rossini

Existem muitas maneiras de entrar nos Estados Unidos. Uma delas é por meio de uma agência “au pair”, que é uma maneira barata e fácil de obter um visto para os EUA. Entrevistei Vanessa Caballero, uma estudante colombiana de au pair e trabalhadora nos EUA, para saber mais sobre a vida de uma au pair .

Vanessa em Nova York

Vanessa, quando você veio para os EUA e por que escolheu vir para cá?

Cheguei em Boston em dezembro de 2019, então faz quase um ano que estou nos Estados Unidos. Eu realmente queria saber como dominar meu inglês e, ao mesmo tempo, como ter a oportunidade de morar no exterior. Então, eu sou da Colômbia e achei que vir para os Estados Unidos era a melhor opção para mim.

Foi difícil conseguir um visto de “au pair”?

Na verdade não! Para vir para os EUA, as pessoas precisam se referir a uma agência que cuida de todos os documentos. Eles também perguntarão seu nível de inglês - esse é um requisito importante porque os alunos au pair viverão em famílias americanas e as au pair precisam ter pelo menos um nível intermediário de inglês. Acho que esta é uma boa maneira de vir para os EUA. Acho que é uma das maneiras mais baratas e rápidas de vir aqui. Já ponderei outras maneiras de chegar aqui, por exemplo, tentei como estudante com visto F-1, mas achei muito caro. Além disso, ser au pair é um programa flexível; dura um ano, mas os alunos podem estender este programa por mais um ano. E é isso que vou fazer também!

Ser au pair te faz viver dentro da cultura americana. Como é a experiência de morar com uma família americana?

Depende muito de acordo com a família com que você vai morar. No meu caso, tive muita sorte porque encontrei uma família muito acolhedora. Jantamos juntos, eles me buscam quando viajam, e tentam o tempo todo fazer com que eu me sinta parte de sua família. Acho que não é fácil morar no exterior, longe da família, e é uma grande ajuda encontrar alguém que te faz sentir em casa. Além disso, gosto de ter o meu espaço, e a família com quem vivo é muito respeitosa nesse sentido.

O que você realmente gosta nos Estados Unidos? O que é diferente do seu país que você mais gostou aqui?

Gosto muito que nos Estados Unidos é possível encontrar pessoas de diferentes culturas no mesmo país. Não só porque tem gente como eu que vem de outros países, mas também entre americanos. Na verdade, mesmo entre diferentes estados nos Estados Unidos, há muita multiplicidade. Por outro lado, na Colômbia há mais uniformidade na sociedade. Posso dizer que na Colômbia somos mais “conservadores”. Com esta palavra, quero dizer que as pessoas na Colômbia têm a mesma religião e a mesma formação, então não há muita diversidade entre a população. Obviamente, existem diferenças também no meu país, mas não é tão perceptível como aqui.

Vanessa e Pietro durante entrevista no Zoom

Existe algo que você não gosta nos EUA?

Posso dizer que antes de vir para cá tinha medo de ser vítima de discriminação. No entanto, descobri que aqui existem oportunidades para todos. Não importa de onde você é ou qual é sua origem racial. Por outro lado, não gosto da rotina americana. Quer dizer, não gosto do estilo de vida americano, em que as pessoas se preocupam com suas carreiras; Não gosto dessa vida estressante e do consumismo dessa sociedade. Não gosto do que os americanos costumavam chamar de "workaholic".

Você veio poucos meses antes do início da pandemia. Como o coronavírus afetou sua vida?

Oh, essa pandemia mudou tudo! Claro, tive a chance de melhorar meu inglês, mas não tive tanta oportunidade de viajar, de saber mais sobre este país. E acho que estudar online não é o mesmo que aulas presenciais. Em geral, a pandemia não é uma experiência completa. Passei muito tempo com minha família anfitriã. Passei mais de um mês sem ver ninguém, exceto minha família anfitriã. Eu não conseguia sair com amigos. Mesmo para as aulas, nos intervalos eu não podia ir tomar um café com meus colegas porque todos estavam em casa fazendo o intervalo na própria cozinha!

O que você acha do aprendizado remoto?

Os professores estão tentando fazer o melhor. Os alunos também estão dando o melhor de si. Essa tecnologia é muito útil, mas para mim nunca será igual às aulas presenciais. Precisamos mudar nosso ambiente, tomar café com os colegas. Eu geralmente prefiro aulas presenciais porque preciso de interações sociais.

O que você sugeriria para alguém que virá para os EUA como você?

Tenho algumas recomendações: considere que isto não é férias, você terá responsabilidades! Você cuidará do que há de mais precioso em uma família; você vai cuidar de seus filhos. Por favor, seja claro com sua família sobre suas despesas e seu tempo livre. Além disso, leve em consideração que aqui as pessoas são muito diretas ao dizer as coisas. Não tenha medo de expressar sua ideia!

Vanessa viveu em Boston desde sua chegada aos Estados Unidos, mas agora ela se mudou para a Carolina do Sul com sua família anfitriã.

Qual é o seu projeto para o futuro?

Quando eu vim para cá inicialmente, tinha em mente melhorar meu inglês por um ano e depois me inscrever para um mestrado em engenharia civil na Alemanha. Mas agora que estou aqui, estou mudando de ideia. Eu gostaria de estudar aqui nos Estados Unidos. Gosto desse país; no entanto, a educação aqui é muito cara e não acho que vou conseguir pagar as mensalidades aqui. Então, acho que vou trabalhar mais um ano como au pair, e depois vou procurar uma educação menos cara na Europa. Além disso, na Alemanha, há muitas oportunidades para minha área.

Como Vanessa nos disse, ser au pair é uma das maneiras mais rápidas e baratas de vir para os EUA. No entanto, os estudantes internacionais que estão considerando essa opção devem levar em conta que terão a responsabilidade de cuidar das crianças. A vida de Au pair é estudar, trabalhar e uma imersão total na cultura americana. Você já pensou nessa possibilidade? Pode ser uma boa escolha para você?


Pietro Rossini é um Missionário Xaveriano e estudante de ESL na Framingham State University (MA). Ele veio para os Estados Unidos em janeiro de 2020 com o objetivo de estudar um mestrado em jornalismo na Universidade de Boston. Seu sonho é coletar e compartilhar histórias da humanidade ao redor do globo, tornando o mundo uma única família.